domingo, 25 de fevereiro de 2007

O que eu quero

O que eu quero não é o que você quer
Não é o que qualquer um quer
O que quero nem eu sei

O que eu quero varia no dia a dia
Não é essa vida vazia
O que quero é ser rei

O que eu quero pode diferir de riqueza
Não é também sofrer na avareza
O que quero foge de lei

O que eu quero é viver o instante
Não ser um despreocupado constante
O que quero já pensei

O que eu quero é ter histórias pra contar
Não coloco o patrimônio num altar
O que quero só sonhei

O que eu quero é ser um humano autêntico
Não parecer com todos idêntico
O que eu quero é voar

5 comentários:

Sérgio disse...

Ficou muito legal o texto!!
E ó nunca se esqueça de apoiar o nosso Gamão!!
Abraço, e dia 04/03 tem jogo contra o Brasiliense, dia 14/03 tem jogo contra o vasco

La Outra disse...

Como diz o mestre Roberto Piva não existe poesia experimental sem vida experimental.
Como é que é mesmo este negócio da escada? ;-)
bjs
MA

Gracyene disse...

Parece que vc jah tem o que quer...
bjin(*)
Gracyene
gracyeneoliveira@hotmail.com

ETC disse...

Olá, Mão! Beleza?
Passei aqui pra agradecer pelo teu comentário lá no meu blog. Também gostei muito do que vi aqui. Gostei deste poema seu.
Abraço!

alvarêz dewïzqe disse...

é isso aí cara, bom poema.
o negócio é não se deixar levar por essa vidinha pobre, medíocre, sem graça que andam vivendo por aí.