quinta-feira, 18 de janeiro de 2007

Súcubo


Sucumbo ao súcubo
ensandecido
em sua sanha
sanguinolenta

Que quer de mim, sacripanta?

Sacudo-me da sova
e sigo meu caminho
suspeitando
estou sendo seguido



Ps.: o quadro é Súcubo de André Cillero

2 comentários:

Me Morte disse...

Eu sou fã de carteirinha dos Demônios desse cara.O Xará Demônio e agora esse.Muito bom!Mão Branca é minha referencia aqui na nerd.Bjos

rita disse...

muito bom
poesia refinada numa lata de goiabada de ouro
esse blog foi um achado.........parabens pela escrita e obrigada pelas dicas
visita o moscaido blog meu.......inté